quarta-feira, 21 de maio de 2014

Basbaques

Por que torcer por jogadores que à primeira oportunidade deixam o Brasil e vão jogar em outros países onde recebem salários milionários? Se amassem de verdade seu país, não iriam embora daqui. Mas seu nacionalismo só aparece na época dos jogos da seleção. Nos outros momentos a pátria está onde pagarem melhor. Há até daqueles que por dinheiro assumem a nacionalidade de outras terras e ainda querem ser considerados brasileiros, ou os pobres de favela que há muito deixaram de ser. E serem pagos nababescamente para vadiar e vez por outra chutarem bola é uma tremenda injustiça com aqueles que ganham miséria para salvar vidas e melhorar a existência dos homens. Os jogadores são uma raça de fingidos, uns enganadores dos idiotas que ainda torcem por eles. É ridícula essa paixão brasileira reducionista que mostra como são mesmo um povo imaturo, bitolado, manipulável emocionalmente, sem caráter, sem noção da proporção justa das coisas e dos seres. Um povo de basbaques, de pusilânimes e cínicos, de sem-vergonhas e corruptos. Quero mais é que se danem, que percam esta copa nos acréscimos do segundo tempo, com um gol de impedimento feito com a mão! Só assim, talvez, mas realço o talvez, pois já aconteceu antes e não se emendaram, começariam a perceber em qual ilusão mergulharam para fugir de seus problemas diários, da violência e estiagem moral em que alegremente chafurdam, da desgraça civilizacional que criaram e mantêm viva com a maior cara de pau do mundo.
Uma conhecida no Facebook escreve: A rua alagada e um carro trancou o nosso; a gente sofre, mas é feliz! – e mostra uma foto, sorridente com as amigas. Pois digo que essa felicidade é a nossa maior desgraça e ainda vai nos levar gargalhando ao abismo mais fundo! Porque um povo que não leva nada a sério é um povo pronto para ser escravizado; e essa alegria que deveria nos fazer pensar, em vez de ser glorificada e exaltada mundo afora, é justamente a que recebe essa maldita copa do jeito que vier, com corrupção e desperdício, e aceita todo tipo de desmando e violência, teatralizando a própria tragédia e destruindo com isso suas próprias possibilidades de desenvolvimento e civilização. Mas quem é que deles sabe o que é civilização?