sexta-feira, 11 de abril de 2014

No mesmo instante

No mesmo instante quando atinges teu máximo, é lá que és fulminado. Parece ser lei natural que o bem superior não possa ser alcançado na terra; e isso deveria nos fazer pensar. Um mundo que não é feito para a alegria, a paz ou a felicidade é um mundo amaldiçoado por quem o criou. No entanto, é nessa maldição mesma que se encontram as condições para a felicidade possível, para a alegria e a paz possíveis. As tentativas de chegar no aqui e agora à felicidade fracassaram e fracassarão, pois está na própria natureza das coisas não permitir esse sucesso; o universo inteiro conspira pelo fracasso; e se por algum intervalo parecer que as condições irão mudar, é que assim se permite, para que a queda e a desgraça imediatamente depois ensinem melhor e doam mais. O esforço imanentista do homem só traz loucura e morte. A vida plena, portanto, não deve ser buscada neste mundo, mas em outro lugar. Onde buscar, se este mundo for tudo que há? Mas nossa contínua sede por esta pátria que não conhecemos mas pela qual sentimos saudade é prova cabal de que existe, embora para chegar até ela devamos antes passar um tempo dentro da maldição, expiando a cada segundo a culpa de apenas ser, para ao final nascermos de novo à luz que de início nos abençoou para depois nos amaldiçoar.