sábado, 26 de abril de 2014

Conflito

Pegue todas as linhas de um teorema e analise-as uma por uma tentando demonstrar que estão certas ou erradas. É trabalho inútil, porque um sistema em si não é auto-explicável. Você no máximo pode atestar se são contraditórias ou não. O sistema recebe sua justificativa de fora, de um sistema que o engloba e que completa suas lacunas, as quais em religião se denominam ‘mistérios’. Mas para abarcar um sistema que engloba o infinito e o finito, seria necessário um sistema inteiramente infinito. Contudo, um sistema inteiramente infinito perde de vista o finito para deter-se nos dados da eternidade. Sem essa perspectiva do finito, no entanto, o sistema se torna uma simples aplicação de fórmulas, que são insuficientes para o ser vivo a quem são necessárias respostas também vivas e finitas. Uma resposta infinita não responde ao finito. A tentativa de infinitizar o finito leva à descaracterização deste que se perde no oceano de mistérios do sistema que lhe é apresentado como explicador. O finito não entende o infinito. A descaracterização, contudo, não faz parte da ordem do universo. A ordem é necessária a qualquer sistema, ou seja, o sistema deve ser aplicável ao que é imanente com respostas imanentes. Uma religião apenas de fórmulas que apontam para realidades inalcançáveis pela experiência humana – esta experiência de carne e osso no tempo e no espaço, e não de carne e osso gloriosos – seria seca e fria, verdadeiramente inumana e descambaria em uma visão pessimista e desoladora da vida. Mas se poderia objetar que é justamente na participação do finito no infinito que está a realização do sistema; que esta é sua fundamentação, pois o infinito é origem do finito; o que leva a outro problema: como pode haver participação em reinos assim tão diferentes, se não se tratar de uma aniquilação do finito no infinito? Diz-se que essa participação eleva a natureza sem destruí-la, mas nesse caso estaríamos de volta à infinitização do finito, que é sua perda total de imanência e conseqüentemente de sua essência e identidade.